sexta-feira, 13 de julho de 2007

‘Tintim no Congo’ proibido no Reino Unido

O governo britânico recomendou que as livrarias de todo o país recolham os exemplares do livro Tintim no Congo, com as aventuras do herói belga de Hergé.
A Comissão pela Igualdade Racial da Grã-Bretanha (CRE) emitiu a recomendação depois de receber uma reclamação de uma pessoa que viu a edição numa livraria da rede Borders. «O conteúdo deste livro é flagrantemente racista», disse o órgão britânico num comunicado. «Todas as lojas devem pensar bem para decidir se vão vendê-lo ou exibi-lo».
O criador foi acusado de racismo, além de ser fortemente criticado pelas cenas de violência contra os animais na história sobre o Congo.
«O livro contém imagens e palavras que afirmam um preconceito racial repugnante, em que os ‘nativos selvagens’ parecem macacos e falam como imbecis», afirma a declaração.


A livraria Borders não respondeu imediatamente às acusações. Porém, o jornal Metro londrino, cita um representante da rede de livrarias, dizendo que iria transferir o livro de Tintim para a seção adulta da loja.
«É natural que alguns dos milhares de livros e de seleções musicais que vendemos sejam considerados controversos ou questionáveis, dependendo das opiniões políticas, dos gostos e dos interesses de cada um», disse o representante da livraria ao jornal.
Os defensores de Hergé dizem que alguns livros de Tintim defendem as populações nativas contra os brancos opressores.
Tintim no Congo, também editado em português como Tintim na África, é o segundo de uma série de 23 livros que contam as aventuras de um jovem jornalista chamado Tintim e do seu cachorro Milu.
Tintim foi criado em 1929 pelo belga George Remi, que usa o pseudónimo Hergé .
A série com as aventuras de Tintim tem um longo histórico de críticas.
Os livros com as aventuras de Tintin, que deixaram de ser escritos em 1976, venderam mais de 200 milhões de exemplares no mundo todo.


in: novopress

5 comentários:

Stisher disse...

"em que os ‘nativos selvagens’ parecem macacos e falam como imbecis"

Queriam que falacem como??

LOL

Sr Martelo disse...

como seres humanos que são!

racismo = ignorâcnia!

ate hoje nunca ninguem provou que um ser humano é inferior por causa da cor da pele!

é preciso estudos para justificar tal coisa!

NODDY disse...

QI medio de um africano é de 80 e de um norte europeu 110

li isto nao sei onde, nao sou racista. mas isto é bem possivel de ser verdade

Sr Martelo disse...

factos e provas. estudos.

quando perguntaram ao JPC se ele por acaso tinha algum estudo que a criminaldiade estava ligada à imigração engasgou-se.

aposto que há africanos muito mais inteligentes que alguns nacionalistas... aliás etnocentrismo é considerado um estado mental que se provoca com a ignorância. :)

PTKOMICS disse...

Este é um livro antigo, os caras que fizeram esta reclamação não tem mais nada a fazer.

Hergé (criador do Tintim) fezeste livro na década de 30.
Hergé afirmou mais tarde que para a criação de Tintim no Congo, da mesma maneira que para Tintim no país dos sovietes, ele vivia num meio cheio de preconceitos. De outro modo, a particularidade de Tintin no Congo é que o álbum é cheio de estereótipos da visão do Congo pelos europeus daquela época. Ele afirmou:

"Da mesma maneira quando desenhei Tintim no país dos sovietes, ao desenhar Tintim no Congo estava alimentado de preconceitos do meio burguês no qual vivia... Era 1930. Conhecia deste país apenas o que as pessoas contavam na época: 'os negros são grandes crianças, felizmente estamos lá!', etc. E desenhei os africanos de acordo com estes critérios, de puro espírito paternalista, que era o da época na Bélgica".

Espero que isso explique algo.
Abraços